Causas, sintomas e tratamento da sinusite e rinossinusite. Detalhamos os tipos de sinusite infecciosa, alérgica e traumática, sinusite aguda, sub-aguda, crônica e aguda recorrente. Abordamos os tratamentos naturais, médicos e alternativos.


quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Tratamento da sinusite com acupuntura

A dor intensa é o motivo das queixas dos pacientes com sinusite ou rinite e, muitas vezes, a medicação consumida é impotente para deter essa dor. Felizmente a Acupuntura oferece resultados maravilhosos, diminuindo ou mesmo cessando dores muito intensas. Isto ocorre graças ao seu poder de produzir endorfinas logo no início da sessão de Acupuntura, por ocasião da inserção das agulhas. O paciente experimenta alívio já entre os 15 ou 20 minutos após o início da sessão.Este bem estar, sem dor ou com a dor diminuída, permanece por tempo variável, dependendo de cada organismo. Existem pacientes que, após uma sessão de Acupuntura, conseguem ficar alguns dias sem dor. Outros sentem o retorno da dor no dia seguinte ou mesmo após algumas horas. Esta diferença de tempo livre da dor deve-se às diferenças pessoais, ao fato do paciente estar sendo tratado já há algum tempo com Acupuntura (neste caso seu organismo aproveita melhor o efeito e retém por muito mais tempo a sensação agradável sem dor), idade, produção de endorfinas, etc. Com o decorrer do tratamento o tempo sem dor e entre crises aumenta muito. Na maioria dos casos, no final do tratamento, o paciente fica livre definitivamente do problema. O uso de aparelhos eletrônicos modernos, conectados às agulhas e enviando estímulos semelhantes aos que nosso organismo produz, faz com que Acupuntura seja muito mais eficaz.

Tratamento da sinusite traumática

A sinusite traumática é causada por diferença de pressão. Por exemplo, durante viagens de avião ou mergulho. Suas características são a dor maxilar e pouca obstrução nasal.
No tratamento da sinusite traumática é normalmente utilizado antiinflamatório, caso não tenha surgido infecção secundária. Os médicos homeopatas utilizam medicamentos capazes de desinflamar a mucosa de revestimento dos ossos afetados. Por último, a sinusite crônica é tratada em harmonia com o paciente, visando o aumento de suas defesas orgânicas e diminuindo a vulnerabilidade.

Sinusite alérgica

A sinusite alérgica pode estar relacionada a ambientes com mofo, poeira, pólen das flores, cheiro de fumaça de cigarro ou de produtos químicos, perfume ou outros alérgenos, é fundamental procurar atendimento médico para identificar qual alérgeno causa a alergia para indicar o tratamento adequado e reduzir os sintomas.
O diagnóstico é baseado na avaliação e no exame físico feitos pelo médico, pois a mucosa das narinas mostra-se avermelha irritada e que aumentam seu tamanho, incluindo a região do septo nasal e os cornetos, o médico observa também a presença de secreção nasal que é geralmente de aspecto purulento e a face pode estar dolorosa á palpação feita pelo médico, em alguns casos é necessário a radiografia dos seios da face para indicar o tratamento.
Alguns cuidados ajudam a reduzir os sintomas, pois você deve lavar bem o nariz com soro fisiológico, beber dois litros de água por dia para manter o corpo hidratado, usar descongestionantes nasais e inalar o vapor de água quente com algumas flores de camomila, o ideal é colocar um litro de água para ferver e quando estiver levantando bolhas desligue o fogo e coloque a água quente em um recipiente, acrescente algumas folhas de camomila e inale o ar, esse procedimento ajuda a descongestionar o nariz, melhorando a respiração.

Ìndice de artigos do blog relativos a Sinusite

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Sinusite em crianças

As crianças são um caso à parte com relação à sinusite. Elas quase sempre são afetadas por um tipo de alergia ficando vulneráveis à sinusite. As causas mais comuns são irritabilidade por causa do cloro de piscina, mudanças térmicas, bactérias , vírus, fungos e outras. Os tratamentos passam desde vaporização até inalações. A aplicação de descongestionantes deve ser controlada pois ela vicia e acaba irritando ainda mais a mucosa nasal.

Politica de Privacidade

"Política de Privacidade"
"Este site pode utilizar cookies e/ou web beacons quando um usuário tem acesso às páginas. Os cookies que podem ser utilizados associam-se (se for o caso) unicamente com o navegador de um determinado computador.
Os cookies que são utilizados neste site podem ser instalados pelo mesmo, os quais são originados dos distintos servidores operados por este, ou a partir dos servidores de terceiros que prestam serviços e instalam cookies e/ou web beacons (por exemplo, os cookies que são empregados para prover serviços de publicidade ou certos conteúdos através dos quais o usuário visualiza a publicidade ou conteúdos em tempo pré determinados). O usuário poderá pesquisar o disco rígido de seu computador conforme instruções do próprio navegador. O Google, como fornecedor de terceiros, utiliza cookies para exibir anúncios neste BLOG.
Com o cookie DART, o Google pode exibir anúncios para seus usuários com base nas visitas feitas a este site.
Você pode desativar o cookie DART visitando a Política de privacidade da rede de conteúdo e dos anúncios do Google.
Usuário tem a possibilidade de configurar seu navegador para ser avisado, na tela do computador, sobre a recepção dos cookies e para impedir a sua instalação no disco rígido. As informações pertinentes a esta configuração estão disponíveis em instruções e manuais do próprio navegador".
Este site respeita e procura responder todos os e-mails enviados.
Após a leitura este site apaga todos os endereços de e-mail enviados.
Este site afirma que não utiliza e-mails para políticas de Spam ou de envio de e-mails indesejados.
Este site não se responsabiliza pelo conteúdo, promessas e veracidade de informações dos banners colocados pelos seus patrocinadores. Toda a responsabilidade é dos anunciantes.

Tratamento da sinuste crônica

Nas sinusites crônicas, o objetivo da tratamento, é a desobstrução dos orifícios para uma melhor ventilação e drenagem. Isso é conseguido, muitas vezes com cirurgia endoscópica, onde se ampliam os óstios obstruídos. DIS em 1991, escreveu que pacientes com qualquer tipo de sinusite deve ser encaminhado para o médico otorrinolaringologista para tratamento.

Sinusite crônica

A sinusite crônica pode decorrer de uma infecção inicial não resolvida, e o paciente ter episódios de experiência recorrente de desconforto.
A sinusite alérgica é um local de responsabilidade de irritação do trato respiratório superior por agentes alergênicos. A sinusite granulomatosa pode ser resultado de uma infecção fúngica como mucomicose, aspergilose ou histoplasmose. Sífilis , tuberculose ou sacridose podem causar semelhante reação. A sinusite crônica ocorre geralmente a partir de uma sinusite aguda ou recorrente refratária ao tratamento, causadas geralmente por agentes anaeróbicos.
A sinusite maxilar crônica aparece em pacientes que apresentam episódios prolongados e repetitivos de sinusite aguda. A sinusite crônica pode também estar associada com casos de rinite alérgica, asma, fibrose cística e infecções dentais.
A leitura cuidadosa da literatura considerando a incidência de sinusite maxilar indica que cerca de 10% da população tem algum problema de sinusite crônica. A maioria dos autores pensa que a sinusite rinogênica alérgica é bilateral e a odontogênica seja mais provavelmente unilateral.

Tratamento da sinusite aguda

Os objetivos do tratamento das sinusites agudas consistem em controlar a infecção, favorecer a drenagem e aliviar a dor. Na sinusite aguda pode se tratar com medicamentos descongestionantes tópicos e com antibióticos. Quando a causa for dentária ou seja, apical ou periodontal, deve-se realizar o mais breve possível o tratamento dentário. Outra medida a ser tomada poderá ser uma lavagem dos seios da face.

Prevenir sinusites

Mantenha o cuidado com a sua saúde, para se evitar as infecções virais e a manutenção da permeabilidade nasal durante épocas de viroses; faça tratamento dos problemas alérgicos; cirúrgia de eventuais desvios septais obstrutivos e/ou cornetos nasais obstrutivos podem prevenir as sinusites.
Quem vive em regiões frias ou com grandes variações climáticas ao longo dos dias ou meses, deve tomar cuidados mais intensos pela propensão maior da doença.

Sinusite infecciosa

A Sinusite infecciosa, é provocada principalmente por vírus e bactérias que têm origem em uma infecção gripal. Cerca de 80% dos casos vêm de gripe mal curada, por isso a gripe deve ser tratada para evitar que o acúmulo de secreção se transforme em um ambiente perfeito para a proliferação de bactérias e vírus. Por ser um caso de infecção, deve-se consultar um médico assim que os sintomas aparecem. Apenas o especialista poderá indicar qual o antibiótico que você deverá tomar para acabar com a doença e seguir o tratamento continuamente, para que as bactérias não fiquem mais resistentes.

Causas da sinusite

A sinususite surge devido a uma complicação de outra doença: infecção bacteriana, fúngica ou mais comum, de uma infecção viral da via aérea superior, como a gripe, faringite, amigdalite, bronquite, rinite, mas também pode estar associado a uma alergia, a inalação de poluentes ou ao desvio de septo.
Aproximadamente 2% das infecções virais se complicam com sinusite bacteriana. Essa infecção é mais comum em regiões frias e com grandes variações climáticas. Não  há nenhuma interferência genética. Os germes encontrados com maior freqüência são: Streptococcos pneumoniae, Haemophilus influenzae e Moraxella catarrhalis.
As sinusites hospitalares são associadas ao uso prolongado de sondas de alimentação ou tubo endotraqueal, e geralmente, são causadas por microorganismos intrahospitalres multirresistentes.

Conheça a definição de sinusite
Saiba quais os sintomas da sinusite
Saiba como prevenir a sinusite
Aceda a muitos artigos relativos a sinusite, incluindo descrição dos modos de tratamento através do índice

Tratamento caseiro da sinusite

A sinusite está associada a um processo infeccioso, é conhecida como uma inflamação dos seios paranasais que são formados por cavidades aeradas que fazem parte do nariz e se desenvolvem pelo osso da face.
A sinusite pode ser causada por diversos fatores dentre eles estão: gripe, alergia, desvio do septo nasal, condições climáticas alteradas e pode ser dividida em diversas etapas:
Sinusite Infecciosa: suas características são de dor na região do seio da face, secreção purulenta e febre.
Sinusite Alérgica: apresentam dor no seio da face, febre, com todos os sintomas comuns de uma alergia e espirros.
Sinusite Traumática: causada por lugares com pouca pressão, causa dores musculares e pouca obstrução nasal.
Sinusite Crônica: mucosa fica espessa e fibrosa.
Para esses tipos de sinusites temos também diversos tipos de tratamentos uns estão associados a exames físicos com radiografias, tomografia, exames computadorizados e não podemos esquecer também dos tratamentos caseiros, mais esses tratamentos aliviam os sintomas, mas lembrando que não são totalmente de segurança.
Alguns tratamentos caseiros mais indicados para o tratamento da sinusite são: com o uso de água morna filtrada, mistura-se um pouco de sal de cozinha,em seguida já na pia com a cabeça abaixada tampe uma das narinas e aspire rapidamente à água morna salgada e em seguida cuspa,repita a mesma operação com a outra narina, é recomendável fazer três vezes ao dia, esse remédio caseiro irá aos poucos dissolver a secreção cristalizada nos seios nasais. Com o tempo você começa a expelir as secreções pelo nariz, verificando os resultados, mais caso você tenha outras lesões relacionadas com os seios da face, não utilize nenhum medicamento sem a consulta de um especialista.
Essa receita caseira já foi utilizada por médicos alemães que verificaram respostas. Mas lembre, antes de tomar qualquer iniciativa sobre doenças, primeiramente consulte seu médico, ou seja, um especialista da área.

Antibioticoterapia na Sinusite Aguda

A sinusite aguda, na grande maioria dos casos, responde ao tratamento clínico adequado; difícil é definir se uma sinusite aguda é bacteriana ou viral, já que a antibioticoterapia é indicada apenas para a sinusite bacteriana.
O tratamento antimicrobiano da sinusite aguda deve ser sempre eficaz contra S.pneumoniae e H.influenzae; como antibiótico de primeira escolha, para tratar infecções leves ou moderadas, a amoxicilina pode ser administrada por sete a dez dias. Nesses casos, poderia utilizar-se também a combinação trimetoprimasulfametoxazol, tendo em vista seu baixo custo e fácil administração, embora a escolha do antibiótico na sinusite aguda deva sempre levar em conta a resistência bacteriana regional.
Nos casos de falha terapêutica com antibiótico de primeira escolha ou quando de infecções sinusais mais graves ou recorrentes, com uso recente de antibiótico, as opções passam a ser amoxicilina em altas doses (80 a 90 mg/kg/dia), amoxicilina-clavulanato, cefalosporinas de segunda e terceira geração por via oral (axetil-cefuroxima, cefaclor, cefprozil, cefuroxima, cefpodoxima), por 10 a 14 dias de administração. Também como alternativas podem-se prescrever os macrolídeos (azitromicina e claritromicina) e, em situações especiais, o cloranfenicol.

Microbiologia da sinusite aguda

As rinossinusites agudas podem ser virais ou bacterianas. As sinusites bacterianas representam somente de 0,5% a 2% das rinossinusites agudas e geralmente se seguem a episódios de etiologia viral.
Os principais agentes etiológicos virais são o rinovírus, o vírus influenza, o parainfluenza e o adenovírus. Os agentes bacterianos causadores de rinossinusites são Streptococcus pneumoniae e Haemophilus influenzae não-capsulado e, em menor número, Streptococcus beta-hemolítico, Moraxella catarrhalis, Staphylococcus aureus e bactérias anaeróbicas (Peptoestreptococcus e Fusobacterium).
Em relação à resistência bacteriana, estudos realizados no Brasil apontam uma resistência intermediária à penicilina de aproximadamente 20% das cepas pneumocócicas e de 1% de cepas altamente resistentes.
Cerca de 10% das cepas de H.influenzae isoladas e mais de 90% das de M.catarrhalis foram produtoras de betalactamase.

Sinusite ou rinossinusite aguda

A sinusite ou rinossinusite aguda é a resposta inflamatória da mucosa que reveste a cavidade nasal e os seios paranasais, com sintomas clínicos com até quatro semanas de duração. Dentre os sintomas mais freqüentes nas crianças, destacam-se rinorréia purulenta, obstrução nasal, tosse e, nos maiores, dor facial, cefaléia e halitose.
Deve-se suspeitar de sinusite aguda bacteriana quando os sintomas de infecção das vias aéreas superiores (resfriado, gripe) pioram após o quinto dia ou persistem por mais de dez dias.
As radiografias simples têm limitações como método diagnóstico auxiliar na criança, porque os R-X simples podem acusar comprometimento sinusal também no resfriado (rinossinusite aguda viral) e na rinite alérgica, sem que isto signifique infecção bacteriana purulenta. Dentre os sinais radiológicos sugestivos, mas não confirmatórios de infecção sinusal, destacam-se opacidade total do seio, espessamento maior que 4 mm da mucosa do seio maxilar e nível hidroaéreo. Daí que a indicação maior dos RX simples na sinusite é quando se duvida do diagnóstico de sinusite aguda, para mostrar que não há sinusite. Deve-se evitar solicitar radiografia de controle.
Nos casos em que se suspeita de complicações por infecção sinusal, isto é, quando a infecção ultrapassa os limites anatômicos dos seios paranasais (orbitárias e intracranianas), deve-se recorrer à tomografia computadorizada, e não aos RX simples; dentre os sinais de alarme: cefaléia intensa, alterações de visão, edema palpebral, sinais gerais de toxemia.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Tratamento das rinossinusites

As rinossinusites agudas podem ser tratadas inicialmente com amoxicilina (40 mg/kg/dia) sendo efetiva e segura na maioria dos casos. É importante lembrar que a sinusite aguda na criança apresenta resolução espontânea em 40% a 50% dos casos.

Outros tratamentos para pacientes alérgicos à penicilina ou casos mais graves ou recidivantes ou alta prevalência de germes produtores de ß-lactamase:
  • amoxicilina com clavulanato;
  • sulfametoxazol-trimetropim;
  • cefaclor;
  • cefuroxime axetil;
  • cefprozil;
  • cefixima;
  • claritromicia;
  • azitromicina.
O tempo de tratamento utilizado é em torno de 10 a 14 dias, e os índices de cura
giram em torno de 90%.

Sintomas da sinusite

O quadro clinico da sinusite Inclui queixas inespecíficas de congestão nasal, secreção nasal ( unilateral ou bilateral ), febre e tosse. Sintomas menos comuns são: diminuição da sensação dos odores, halitose e edema periorbital. Queixas de dor facial e cefaléia são raras em crianças, mas comum em adolescentes e adultos.

Diagnóstico da sinusite

O diagnóstico clínico da sinusite é habitualmente baseado nas evidências clínicas e na duração dos sintomas.

Sintomas persistentes de infecção de trato respiratório superior, incluindo secreções nasais e tosse, por mais de 10 a 14 dias, ou severos sintomas respiratórios, incluindo temperatura de 39°C e secreção purulenta nasal por 3 a 4 dias consecutivos, são sugestivos de sinusite bacteriana aguda.

Na sinusite crônica, a tosse noturna ou diurna, secreção nasal ou congestão nasal e cefaléia duram 12 semanas ou mais de 90 dias.

A radiografia de seios da face não é necessária para o diagnóstico, e em crianças principalmente pela dificuldade de sua interpretação.
A radiografia fica reservada para os casos de dúvida, se interpretada, em conjunto com o quadro clínico. Incidências:Caldwell (fronto-placa): seios frontais e etmoidais;
  • Caldwell (fronto-placa): seios frontais e etmoidais;
  • Waters (mento-placa): seios maxilares;
  • Hirtz (axial): seios etmoidais e esfenoidais;
  • Perfil (lateral): seios esfenoidais, frontais e etmoidais.
A cultura do aspirado dos seios é o único método preciso de diagnóstico, mas não é prática para o uso de rotina.

Tomografia computadorizada é um excelente meio para avaliar os seios da face, mas como é um método caro e de maior tempo de exposição à irradiação, está indicado, principalmente, em três situações:
  • Sinusite aguda que não responde ao tratamento com antibióticos;
  • Avaliação pré-operatória dos pacientes com indicação cirúrgica;
  • Presença de possíveis complicações da sinusite, sejam orbitárias ou intracranianas.
Ressonância magnética está indicada em suspeita de sinusite fúngica ou de neoplasia de seios da face.

Observação: episódios repetidos de sinusite sugerem a existência de fatores associados que devem ser corrigidos: hipertrofia de adenóides, hipertrofia de cornetos, polipose nasal, corpo estranho e rinopatia alérgica.

Classificação da sinusite

A classificação da sinusite pode ser dividida em três tipos:
  1. Infecciosa: a sinusite neste caso tem características de dor na região dos seios da face, seguida de obstrução nasal, secreção purulenta e febre.
  2. Alérgica: apresenta dor nos ossos da face, ocasionalmente febre e vem com todos os sintomas comuns da alergia, coriza clara e abundante, obstrução nasal e crises de espirros.
  3. Traumática: causada por diferença de pressão. Por exemplo, durante viagens de avião ou mergulho. Suas características são a dor maxilar e pouca obstrução nasal.
Além disso elas são classificadas de acordo com o tempo que duram, em:
  • Aguda: Duração de menos de 1 mês.
  • Sub-aguda: Duração entre 1 e 3 meses.
  • Crônica: Duração superior a 3 meses.
  • Aguda recorrente: 3 ou mais episódios por ano, com cada episódio durando menos de duas semanas.
A sinusite pode ainda ser classificada em função da cavidade nasal que afeta, em:
  • Maxilar
  • Frontal
  • Etmoidal
  • Esfenoidal

Sinusite - o que é

Sinusite é uma inflamação de vias respiratórias superiores conhecidas como seios paranasais geralmente associada a um processo infeccioso por vírus, bactéria ou fungo mas que também pode estar associado a uma alergia ou a inalação de poluentes. Os seios paranasais são formados por um grupo de cavidades aeradas que se abrem dentro do nariz e se desenvolvem nos ossos da face. Sua frequência varia entre 1 e 15% das crianças e 1 e 40% dos adolescentes dependendo da região do mundo, sendo mais comum em regiões frias e com grandes variações climáticas.
Está fortemente associada a outras infecções das vias superiores como rinite, asma, bronquite, amigdalite e faringite.
Índice dos artigos relativos a Sinusite

ACOMPANHE OS ARTIGOS DO BLOG NO SEU EMAIL